Me chame pelo seu nome, de André Aciman


Você já se apaixonou? Eu acredito que sim. Imagine ou se lembre daquele momento em que você viu a pessoa pela primeira vez. Agora imagine como o seu coração palpitou, como suas pernas tremeram e como as palavras pareceram sumir da sua boca. Desde os primórdios da humanidade, a paixão, o desejo e o amor andam juntos e percorrem caminhos pecaminosos entre os humanos. Amar e desejar alguém vai muito além do contato físico, muitas vezes transcende o plano físico. Me chame Pelo seu nome é um livro escrito pelo autor André Aciman e conta a história de um amor de verão que marcou para sempre os protagonistas. 

O livro começa com Elio contando sobre aquele verão em meados dos anos oitenta, onde um estranho chamado Oliver entrou em sua vida e o marcou para sempre. Como a narrativa é em forma de memórias, Elio é o narrador principal, contando os fatos em uma ordem não muito cronológica e descrevendo fielmente todos os acontecimentos. Por ser em 1ª pessoa, temos uma visão ampla do que Elio pensava, sentia e observava sobre tudo e todos, mas principalmente sobre Oliver.

"Mas talvez tenha começado bem mais tarde do que acredito, sem que eu percebesse. Você vê a pessoa, mas não a enxerga de verdade, ela simplesmente está por ali. Ou até a enxerga, mas nada bate, nada "chama a atenção", e, antes mesmo que você perceba a presença ou algo incômodo, as seis semanas que lhe foram oferecidas já passaram e a pessoa já foi embora ou está prestes a ir, e você fica lutando para aceitar algo que, sem que você soubesse, vinha ganhando forma bem debaixo do seu nariz, trazendo consigo todos os sintomas daquilo que só poder ser chamado de desejo. Como eu não percebi? " Parte I, p. 15. Elio. 

A primeira parte do livro, temos uma intensa obsessão de Elio para com Oliver. A maneira poética e detalhada no qual descrevia nuances da pele do outro, o olhar, o cheiro, a vontade de se fazer presente ao outro, destaca bem a maneira idolatrada que nosso protagonista enxergava Oliver. É evidenciado o desejo compulsório que Elio desenvolve e principalmente, o sentimento de medo e insegurança que o assolava cada vez que um olhar ou um gesto não era correspondido. Por vezes, o autor conseguiu me fazer ser o Elio e viver aquilo intensamente, como ele estava vivendo. 

Mesmo o personagem tendo 17 anos, conseguimos ver todas suas qualidades e defeitos, a partir do seu próprio ponto de vista e julgamento. Nós enxergamos e sentimos como ele e conseguimos entender o que ele sentia em relação ao Oliver. Em nenhum momento ele sentiu medo da repreensão dos pais ou do julgamento da sociedade, porque tudo aquilo pertencia ao seu intimo. A Oliver. É legal perceber como tudo girava em torno do outro, de como ele queria ser tocado, beijado, sentido por Oliver. O melhor de tudo é perceber a vulnerabilidade de si mesmo em relação a tudo e aos acontecimentos. Mostrar para ele o que sente? Esconder? Falar ou morrer?

"Ali, no silêncio do momento, encarei-o de volta, não para desafiá-lo render, para dizer a ele que esse sou eu, esse é você, isso é o que eu quero, não há nada além da verdade entre nós agora, e onde há verdade não há barreiras, não há olhares desviados e, se nada acontecer, que jamais seja porque algum de nós não estava ciente das possibilidades" Parte I, p. 94. Elio. 

Oliver é um personagem que é construído a partir do que Elio enxerga. Elio o descrevia como inacessível, mas que todos se apaixonaram por ele. A visão do narrador é tão apaixonada, que é impossível não sentir tudo o que ele sente e descreve sobre o Oliver. É até difícil imaginar que tudo isso é recíproco, leva-se um tempo para entender Oliver, porque o foco dessa narrativa não está nele. Elio sempre teve o controle. Ele está correspondendo ou não? Será que Elio sempre se inferiorizando em relação ao Oliver era uma coisa verdadeira ou apenas fruto da sua insegurança? São coisas que só entendemos quando o autor mostra mais Oliver e com diálogos, tira o leitor da dúvida sobre a reciprocidade contida em todos os gestos.

O livro leva um tempo para desenvolver o romance tão esperado pelo leitor. Mesmo sabendo que ia acontecer, eu ansiava por aquele momento, aquele primeiro beijo, tanto quanto Elio. Enquanto na primeira parte o autor se preocupou em mostrar como Elio se sentia em relação ao Oliver, trazendo pensamentos e diálogos poéticos e intimistas, na segunda parte temos mais demonstração de sentimentos, uma coisa mais crua, mais carnal, mais humana. É como disse anteriormente, não sabemos se Oliver correspondia a Elio, mas é engraçado como todos os fatos de que a reciprocidade era verdadeira estavam o tempo todo na cara de Elio (e na nossa), mas ele não conseguia enxergar que o maravilhoso Oliver poderia corresponde-lo. 

Me chame pelo seu nome é um livro sobre liberdade. Sobre descobertas. Sobre inseguranças, sobre amor, sobre a vida e sobre tudo o que vai embora e o que fica. Não é um livro para todos, mas é um livro que todos precisam ler. A narrativa não é muito ágil, mas é tão intensa que o leitor não consegue se desgrudar. A maneira como o autor conseguiu mostrar a vulnerabilidade dos sentimentos de ambos os personagens, mas de maneiras diferentes, é genial. Oliver se libertando do que ele também tinha medo e Elio encarando coisas que ele sabia que existiam dentro dele, é lindo. Claramente Oliver tinha mais medo e insegurança sobre essa relação, ele era um homem já, com uma bagagem de vida que Elio ainda não tinha e isso incluía o medo do desconhecido, que para ambos existia, mas as abordagens eram diferentes. Enquanto um ousava em um momento, o outro entrava em uma introversão, para não mostrar o quão vulnerável se sentia. 

Em suma, além de o livro trazer um romance intenso, temos uma grande lição de vida que o pai de Elio da em seu monólogo final, sobre como sempre queremos deixar de sentir a dor, achando que é mais fácil, mas no final, não sentir só tira e desgasta um pouco do que existe dentro de nós e toda vez que vamos começar algo novo, nunca conseguimos dar 100%. O sentir é importante aqui. Sentir tudo.. Eu poderia ficar horas falando sobre esse livro que não seria o suficiente, mas a única coisa que eu digo é: leia, se joga, sinta, ame e depois me conte tudo isso nos comentários! 

22 comentários

  1. Só pela quantidade de post it eu já quero ler o livro, ainda mais se tratando de um livro que virou um filme que quero muito ver. Seja pelo romance, pelas reflexões ou pela grande lição de vida... eu quero ler o livro também.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Anelise! Este parece ser um daqueles livros que você lê e fica pensando, lembrando, de quando sentiu, de quando viveu um amor, ou uma paixão que te deixou arrebatado como o personagem. O modo como é descrito, como ele nos mostra seu amado, temos seu ponto de vista apaixonado e único, e a medida que o autor nos vai apresentando e nos fazendo conhecer os personagens, a história parece ficar cada vez mais atraente. Achei lindo o fato de não se tratar somente de uma história de amor, mas também de ensinamentos para a vida num todo. Adorei a resenha, parabéns!
    Bjoxx - http://www.stalker-literaria.com/

    ResponderExcluir
  3. Que resenha linda! A mais linda que já li sobre esse título, com certeza. Eu li essa obra no início do ano e me surpreendi com algumas cenas, digamos, bem envolventes. Achei o maximo e quero ver o filme pra ver como retrataram essa poesia nas telas!

    ResponderExcluir
  4. Deus do céu! Que resenha apaixonada! Dá para perceber bem o quanto você amou a história!

    Já li muitas resenhas sobre o livro e cada vez fico com mais vontade de lê-lo. Preciso dele! A parte ruim de ler uma resenha maravilhosa é você não ter o livro em casa, te aguardando para você começar a lê-lo no momento que quiser!kkkkkkk... Vou ter que comprá-lo! E minha lista de leituras só cresce. Acho que está na hora de parar de tentar diminuir a pilha de leituras porque é uma missão impossível.rsrs

    O amor é o sentimento mais lindo do mundo. E nem sempre caminha junto com a paixão, na minha opinião. Com paixão é melhor, claro, tem toda a intensidade que eu tanto aprecio nos romances, mas o amor em sua essência, por si mesmo, já é o melhor sentimento que existe. Suspiros...

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu vi sobre a adaptação desse livro e fiquei bem intrigada quanto a leitura dele. Sua resenha confirma o que já vinha sentindo em relação a essa obra. Gostei bastante da sensibilidade com que é desenvolvido e o tema LGBT tem me surpreendido muito pois os autores estão arrasando e deixando muitas mensagens para refletirmos.
    Dica anotada!

    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  6. Olá! Estou apaixonada pela sua forma de escrever resenha. Nossa! Essa inspiração foi fruto da leitura desse livro? Fiquei encantada com a forma com que retratou a história e me deu uma vontade imensa de ler o livro e já correr para ver o filme!
    Obrigada pela resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Gente, sua resenha ficou maravilhosa, sério mesmo. Consegui sentir todo o misto de sentimentos que você teve com essa leitura. Eu assisti o trailer do filme e já me emocionei toda, imagina com essa leitura? Fiquei muito curiosa para conhecer o personagem e seus julgamentos sobre si mesmo. Vou tentar fazer a leitura antes de assistir o filme.
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  8. Anne, este foi um dos melhores livros que li este ano e tudo nele me envolveu fortemente: a força da paixão, o cenário diferenciado, a relação madura dos pais do Elio. Enfim, foi um livro que me deixou extremamente satisfeita após a leitura e espero gostar do filme tanto quanto gostei do livro.
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Oie!

    Eu não sou de ler livros LGBT, mas essa obra tanto quanto sua adaptação está fazendo muito sucesso, mas não tanto para eu chegar a conferir, mas acredito que uma amiga minha que ama esse gênero se já não leu essa obra, irei indicar para ela, pois com certeza essa irá gostar!

    Bjss

    ResponderExcluir
  10. Oi Ane!!!
    Um dos livros que tem me chamado a atenção nos últimos tempos é esse, pois estou louca para ver a adaptação porém a ideia é só assistir a mesma após eu ler o livro u.u
    Eu acho que o autor quis demonstrar pra gente como nos sentimos quando nos apaixonamos, de certa forma acabamos colocando a pessoa num patamar mais alto que a gente e muitas vezes não vemos que podemos está sendo correspondidos em algum momento.
    Porém, é um livro tão chamativo que estou com minha curiosidade aflorada pelos mesmo *-*
    Adorei a resenha!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Você não economizou post-it, hein? Hahaha
    Então, eu nunca tinha ouvido falar nessa história até o lançamento do filme.
    Não é a primeira vez que vejo uma resenha falando que Élio era meio obsessivo em relação a Oliver... não sei como receberia isso. Essa coisa de inferioridade também creio que me incomodaria, fosse ela fruto da cabeça dele ou não.
    Para falar a verdade a única coisa pela qual sinto uma ligeira curiosidade é o famoso monólogo do pai dele, o resto realmente não me chama a atenção, infelizmente.


    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  12. Não conhecia o livro. Só descobri depois do filme, que ainda também não vi.
    Estou bem curiosa com ambos só não sei por qual começar.
    Adorei sua resenha. Saber através de sua resenha um pouco mais sobre a obra!
    dica anotada!!

    Beijinhos!

    #Ana Souza
    https://literakaos.wordpress.com

    ResponderExcluir
  13. Oi Anelise! Tudo bem?
    Com certeza é um livro dono de uma proposta MUITO boa! Claro que eu não tinha ideia de como ele realmente se desenvolvia até ler o teu texto.
    De fato, quem nunca se apaixonou e idealizou uma pessoa até não poder mais e inclusive pensou não ser correspondida? Já aconteceu comigo, mas eu era muito nova para entender como funcionava o negócio.
    Abraços e beijos da Lady Trotsky...
    http://www.galaxiadeideias.com/
    http://osvampirosportenhos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Oie anne. às vezes acho que devo ler esse livro, as vezes acho que não é o meu tipo de leitura, mas, o fato de ser um enredo bem carregado na poética já é algo que conta bastante a favor.Que bom ver que você gostou, é empolgante quando um livro nos surpreende assim

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    É maravilhoso quando um livro nos pega assim! Confesso que não estou conseguindo ler nenhum que me deixe essa sensação de paz e reflexão, talvez pelo meu momento não melancólico, mas mesmo assim esse é um livro que eu gostaria de ler antes que do filme.
    Dica anotada!
    Bjks

    ResponderExcluir
  16. Oiee ^^
    Eu ainda não li esse livro, mas vi o pessoal falando tanto e tão bem dele que estou mega curiosa para conferir a história. Estou mesmo querendo algum livro que fale sobre liberdade, descobertas e que traga um romance lindo e poético assim. Fico feliz em saber que o livro mexeu tanto com você, e que gostou tanto da história. Espero adorar também.
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. Oi. Sua resenha ficou incrível, e me deu a impressão de que a história é muito bem escrita.
    Eu não curto muito histórias LGBT, então vou passar a dica.
    Beijos. Versos da Alma

    ResponderExcluir
  18. Olá! Tudo bom?

    Que fotos DIVINA minha gente, amei! Então, eu ainda não tinha ouvido falar do autor mas achei interessante a sinopse e a sua resenha. Gosto muito de quando é demonstrada a vulnerabilidade dos personagens, me sinto mais conectada a eles e me interesso bem mais pela leitura. Anotei aqui a dica, e espero poder conferir em breve ♥

    Um beijo

    ResponderExcluir
  19. Oi Ane,
    Ainda não conhecia essa obra e achei interessante a história. Ao ler sua resenha só pude sentir a intensidade que o livro traz através do Elio e seus sentimentos, completamente palpáveis. Uma bela experiência de leitura com certeza. Adorei!
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
  20. Oi.

    Eu ainda não li o livro e nem vi o filme. No começo eu não sabia muito sobre a obra, fui conhecer mesmo depois que vi o filme no Oscar. A premissa parece ser legal, e pelo o que eu ouvi de quem leu, acho que vou acabar gostando da leitura. Dica anotada!

    ResponderExcluir
  21. Oi Anne

    Conheci a história através do filme e devo dizer que o livro parece infinitamente superior. O amor é amor, independente de qualquer coisa. Acredito que toda intensidade e inseguranças que o sentimento trás no livro foram ampliadas, amo histórias desse jeito e ja estou dois pra conferir.

    Bjos
    http://www.galaxiadeideias.com/

    ResponderExcluir