Relacionamentos abusivos na literatura: uma romantização nociva


Imagine que você é uma leitora inexperiente. Imagine que você não tenha o acesso às informações sobre femicidio e relacionamento abusivo. Imagine que você compra um livro para ler, um livro de romance. Imagine que você leia uma história onde o protagonista masculino seja possessivo, controlador e abuse emocionalmente da protagonista, alegando amá-la. Imagine você ler uma história onde romantiza-se o abuso físico e psicológico. Imagine como você se sentirá vendo que uma coisa que deveria ser criminalizada, está sendo romantizada. Quais as chances de você ser influenciada? Imagine.

Começo esse post com uma dor no coração, mas sei que é necessário falar sobre a romantização de relacionamentos abusivos em romances, principalmente nos eróticos. Há muitos anos venho consumindo romances, mas foi recentemente que muita coisa começou a me incomodar enquanto lia. Quando comecei a entender mais sobre relacionamentos abusivos, comecei a perceber dentro das estórias, casais totalmente problemáticos e descontrolados e, o pior de tudo, é que os autores não abordavam isso com uma lição no final, mas sim como uma conduta certa para relacionamentos, ou seja, o cara sendo possessivo, controlador, é uma forma de dizer que ama uma mulher. Vocês imaginam o quão problemático é isso?

Um dos exemplos que eu gosto de citar, é o do livro Toda Sua, da autora Silvia Day, da série Crossfire. Quando comecei a ler, não imaginava que ia ficar tão estarrecida com o que encontrei. De início, toda a erotização explícita, todo o romantismo, a conquista, a caça, foi muito interessante de ler (se você gosta de romances eróticos, sabe do que estou falando), mas no momento em que os personagens desenvolvem um relacionamento mais íntimo e emocional, é um show de abusividade de ambas as partes. A possessividade, o descontrole emocional, as chantagens emocionais, tudo isso desgasta muito os personagens, - é algo bem nítido -, mas no final, tudo é porque eles se amam. Essa é a lição que a autora passa. Ela não quer mostrar o quão nocivo é um relacionamento assim, ela quer mostrar como o sexo é prazeroso depois de uma luta de chantagem emocional e abusos mentais. 

É desconfortante ver como os autores insistem nisso. É necessário entender que existe uma linha bem tênue entre romances conturbados e relacionamentos abusivos. Nos livros de BDSM, totalmente eróticos, ambas as partes consentem o que vai acontecer, sendo o submisso ou o dominador. Normalmente, quando a temática é mais focada no BDSM, nós percebemos que é exatamente aquilo que tem que acontecer, o envolvimento é carnal e consentido. É bem diferente dos romances que costumamos ler. Mas quando trazido para um universo em que há a possessão, o descontrole, a chantagem, é preciso muito cuidado. 

Depois de perceber o quão problemático são esses livros, eu tomei uma decisão de parar de ler livros eróticos, pelo menos o que eu sabia que eram abusivos (a partir de resenhas no goodreads e no skoob). Passei a não recomendar os que eu já tinha lido e tomei mais cuidado com o que escolhia para ler. Por um lado, funcionou para mim, mas ainda percebi que havia dezenas de romances a la 50 tons de cinza no mercado editorial e que cada vez mais as mulheres estavam consumindo. O que me preocupa mesmo, são essas mulheres que leem esses livros e acham que tá tudo bem o seu namorado, amigo, marido, abusar emocionalmente dela. É preocupante achar que um cara possessivo te ama incondicionalmente (mas não se preocupa com sua saúde mental). 


Essa romantização normalmente vem com o afago depois da explosão, dos beijos, das declarações de amor, tudo isso é uma máscara para a verdadeira identidade do abusador. Na maioria das vezes, embaladas pelos sentimentos fortes, as mulheres se deixam levar pela calmaria que vem depois da tempestade e continuam dentro desse relacionamento, sempre esperando a tempestade voltar. 

Em suma, é preciso cada vez mais discutir o assunto, para que autores e autoras não escrevam mais coisas do gênero. Essa romantização é prejudicial para todas as mulheres, para a luta contra o machismo e contra a violência de gênero. Às vezes, na maioria das vezes, as pessoas nem sabem que estão dentro de um relacionamento abusivo. A literatura é um meio de mostrar novos mundos, contar novas histórias e ensinar. Não compactue com o machismo romantizando relacionamentos nocivos. Por fim, deixo três links sobre o assunto que vale a pena serem lidos e mais uma vez eu digo, por favor, não compactuem com isso. 

Link 1: http://homoliteratus.com/30min-190-relacionamentos-abusivos/ 
Link 2: https://medium.com/@camilasnts/a-romantiza%C3%A7%C3%A3o-dos-relacionamentos-abusivos-na-literatura-bd20da3dbb0f
Link 3: http://valkirias.com.br/abuso-nao-e-amor/


2 comentários

  1. É um assunto bem delicado, mas que precisa ser discutido, né?
    Estava dias trás conversando com uma amiga sobre a primeira vez que eu li Harry Potter. Eu não enxergava a maldade por trás da história (por mais da fantasia) e só depois de adulta que fui reler que me dei conta dos abusos dos tios Harry e etc.. Sei que a proposta do seu artigo é falar sobre abuso de relacionamento amoroso, mas hoje enxergo abuso em todas as relações e fico chocada.
    Fico triste quando vejo pessoas se enxergando nos personagens =/

    ResponderExcluir
  2. Hello!
    I loved the post, I didn't know your blog and I followed it, would you follow mine back?

    Greetings!
    Obsesión por la lectura

    ResponderExcluir