[RESENHA] Filme: Cidades de Papel

sexta-feira, julho 17, 2015
Data de lançamento: 24 de julho de 2015 (EUA)
Direção: Jake Schreier
Produção executiva: John Green
Autor: John Green
Música composta por: Son Lux, John Debney
SINOPSE: A história é centrada em Quentin Jacobsen (Nat Wolff) e sua enigmática vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman (Cara Delevingne). Ele nutre uma paixão platônica por ela. E não pensa duas vezes quando a menina invade seu quarto propondo que ele participe de um engenhoso plano de vingança. Mas, depois da noite de aventura, Margo desaparece – não sem deixar pistas sobre o seu paradeiro.

Não sou muito fã de John Green, então nem dei atenção ao lançamento de Cidades de Papel, fui ao cinema simplesmete por ir e acabei gostando. O filme em si não tem nada de mais, mas mesmo assim conseguiu chamar minha atenção.
Com uma trilha sonora incrível (com direito a Haim <3), Cidades de Papel é um filme leve e divertido que nos apresenta uma mini road trip em que Quentin e seus amigos vão em busca de Margo (até então o grande amor de Quentin). Como os bons filmes de viagens, ela serve para unir ainda mais os amigos e os fazer passar por experiências nunca imaginadas, que vão servir como um marco para o próximo passo na vida de cada um.
O filme também passa uma mensagem legal, sobre as pessoas que vivem em cidades papel e acabam se transformando me papel, aquelas cidades superficiais de pessoas superficiais, que não possuem nada realmente de valor para se espelharem. A busca por Mago ensina a Quentin todas essas coisas, ela possui um espírito aventureiro que a cidade deles não suportava, e ao tentar encontrá-la Quentin encontra o seu “eu” um “eu” que ia além do sonho de cursar medicina, casar e ter filhos. Como diz a autora Françoise Héritier do livro “O Sal da Vida”: O "eu" não é somente aquele que pensa e que faz, mas aquele que sente e que experimenta, segundo as leis, uma energia renovada subjacente, incessantemente renovada. Se fosse totalmente desprovido de curiosidade, de empatia, de desejo, da capacidade de sentir aflição e prazer o que seria esse o que seria esse "eu" que, além do mais, pensa, fala e age?
E acho que foi esse “eu” que Quentin encontrou, acho que foi por esse motivo, por causa dessa reflexão que acabei gostando do filme.

Grande abraço


10 comentários:

  1. Hey! Eu quero muito ver esse filme, apesar de querer ler o livro primeiro. Aah, então esse é o significado das "Cidades de Papel"! É a primeira vez que alguém me revela isso, haha. Me deu mais vontade de conferir a história. Adorei saber que a trilha sonora é tão boa, adoro quando assisto um filme e no final descubro várias músicas legais <3

    Thaís na Cidade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem muitas musicas legais Thaís! Se você não gostar do filme o ingresso pelo menos valeu pelas musicas hahah
      Beijos, Helo.

      Excluir
  2. Olá, tudo bom? Já li Cidades de papel e não gostei muito, mas espero gostar do filme. Beijos,
    http://www.entreleitores.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jessica! Eu não li o livro, porque como disse não sou muito fã desse tipo de literatura, mas o filme é gostoso de assistir. Espero que goste :)
      Beijos, Helo.

      Excluir
  3. Olha eu ainda não tive a oportunidade de assistir o filme
    e provavelmente só farei isso quando for lançado em DVD ou sair no TELECINE, porque já tem um tempo que não vou ao cinema viu?! Estou precisando sair um pouco para me divertir. Mas mesmo assim gostei de tudo que você falou do filme. Espero poder assistir, embora eu não tenha lido o livro ainda. Mas também quando vi a culpa é das estrelas, também não li, por isso pra mim não fez muita diferença pra falar a verdade hahahaha, mas espero que a história desse seja bom.

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/07/resenha-uma-saga-na-toscana.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não li ao livro... Assista ao filme sim! É um amorzinho :)

      Excluir
  4. Que bom que achou o filme leve e divertido! É ótimo quando a gente vai sem expectativas e acaba gostando do que vê. Eu adorei que você citou O Sal da Vida, já me fez ficar com muito mais vontade de ver, porque amo tudo nesse livro!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Sal da Vida é muito lindo <3 e quando assisti ao filme tinha acabado de lê-lo então estava com a mensagem dele bem frisada na cabeça e consegui tirar essa interpretação do filme!

      Excluir
  5. Bom, ainda não vi o filme, quero ler o livro primeiro.. Mas, mesmo assim, o filme parece ser muito legal e amorzinho!! Hahahahh gostei da sua resenha ;)

    Beijos, http://quebrarosilencio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É amorzinho de verdade haha conta pra gente o que achou depois de assistir :)

      Excluir

Tecnologia do Blogger.