Tartarugas até lá embaixo, de John Green


Aza Holmes é uma garota que tem uma doença mental, o TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). Ela tem que lidar com isso e é algo incontrolável, pois a qualquer momento ela entra em uma espiral de pensamentos sobre bactérias e como ela está ou ficará doente por isso. Além de acompanhar Aza em suas espirais, temos um mistério a desvendar.

O bilionário Russell Pickett está desaparecido e quem souber de alguma pista que leve a encontrá-lo, terá uma recompensa de 100 mil dólares. E é assim que Aza e a sua melhor e única amiga, a Daisy, irão atrás de pistas, pois principalmente Daisy, quer muito ganhar esse dinheiro. E algo que ajudará muito, as duas, é que Aza conhece o filho de Pickett, o Davis. Logo, elas vão bolar um plano para entrar na mansão dos Pickett e falar com o garoto. Esse é o cenário que encontrará nessa história.
- Na verdade, foi meu pai. - Eu me lembrava da explicação: ele dizia que Aza "abarca todo o alfabeto, para que você saiba que pode ser quem você quiser".

Depois de 6 anos sem lançar um livro, John Green chegou com essa história e que pelo título eu já comecei a me perguntar e ficar curiosa sobre o que seria. Parece ser um título maluco, mas que quando você termina de ler o livro entende o significado, e entende também a explicação da espiral, e eu achei tudo muito incrível.

Green também tem TOC e acho que foi por isso que ele conseguiu escrever uma personagem tão real. Tem cenas muito fortes e que por algumas vezes eu parei a leitura para processar e digerir o que estava lendo. Os personagens me deixaram bem conectada à história. Aza é uma garota que tenta sobreviver com essa doença e ela quer sair e ficar bem, mas é algo mais forte do que ela. O interessante também, é que parece ter três pontos principais, o mistério, o romance e o TOC, mas que ao mesmo tempo, o tema central se torna como Aza convive com o TOC, já que é a história é narrada por Aza.

"Eu" é a palavra mais difícil de definir.

Daisy luta bastante para conseguir essa recompensa, pois ela junta todo o dinheiro que pode para pagar os seus estudos. Ela trabalha em um restaurante, não tem um computador e dá pra perceber o porquê de ela ficar fissurada na busca por pistas sobre o Pickett. Daisy escreve fanfics de Star Wars, e como citei antes, ela não possui um computador e escreve tudo pelo celular.

Davis também é um personagem, que diria, tem um tom filosófico. Perdeu sua mãe ainda novo e agora com o sumiço do pai, tem que lidar com outras responsabilidades. Ele tem um irmão mais novo, com 13 anos, o Noah sente muita falta do pai e apesar de eles terem tudo, vivem em uma mansão surreal. O pai deixou em testamento que toda a sua fortuna iria para o Tuatara, que é um animal raro e que ele acha que trará uma fórmula para ter mais anos de vida.

A mãe de Aza sempre se preocupa muito com a sua filha, mas consegue falhar em muitos aspectos e assim acontece coisas que ficam fora do alcance dela.

Essa leitura foi muito gratificante para mim. Eu poderia ficar horas conversando sobre esse livro, e digo que ele me deixou com uma baita ressaca literária. Recomendo que você leia, mesmo que não tenha gostado de outros livros do John Green, dê uma chance a esse livro e se surpreenda.

Toda perda é única. Não dá para saber como é a dor de outra pessoa, da mesma forma que tocar o corpo de alguém não é o mesmo que viver naquele corpo.

12 comentários

  1. Pois é, eu fico ainda meio receosa porque li muita resenha negativa e não li nada do autor e é por isso que não estou optando por esta leitura no momento. Li coisas boas e ruins e como ainda não vi também os filmes fico meio que em cima do muro sabe, apesar de ser um tema que eu curta.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Anne!! Quando comecei a ler John eu confesso que não curti muito o estilo dele, mas depois da tua resenha, com certeza vou anotar esta dica. :)
    Eu nem sabia que o autor tinha toc, veja só! Que coisa boa quando o autor mescla a alma dele com uma história fictícia, e toc é um problema muito sério muitas vezes banalizado pela sociedade.
    Menina, e deixar um testamento prum animalzinho.... hihihi
    beijos, adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bem?

    Esse é um livro que está sendo muito falado e elogiado no momento. Estou bem ansiosa para comprar o meu. Ainda não pude comprar, mas já estou com ele na lista para as próximas compras.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Impressionante, todo mundo está falando desse livro e ainda não vi uma crítica negativa. Antes desse, já li todos os livros do John Green e tenho alguns que eu gosto mais do que outros - mas adoro a escrita dele!
    Estou bem interessada nele, mas infelizmente esse ano já não vai dar mais para ler. Quem sabe ano que vem?
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Ao contrário de você j[á não gostei tanto do livro, achei okay mas esperava uma leitura extraordinária. Mas, fico feliz que você tenha gostado, a nerdfighteria agradece^^

    ResponderExcluir
  6. Eu amo o John Green e minha relação com os livros dele é master positiva, mas ainda não li esse livro por causa de todo o hype e com medo de me decepcionar. Mas com certeza eu lerei - espero que ainda este ano - e quero ter uma experiência de leitura muito parecida com a sua.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Eu amo o John Green! Estou doida por esse lançamento, mas, infelizmente a oportunidade ainda não surgiu. Quero muito saber o que irei achar da história, já li inúmeros comentários positivos, curiosidade é pouco para descrever o quanto desejo ler esse livro.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Esse é um livro que estou bem curiosa para ler porque nunca li nada sobre TOC e pelo fato de o autor ter a doença acredito que deva ser muito mais real a escrita dele.
    Mas meu receio é que dificilmente me dou bem com a escrita do autor, espero que esse me agrade srsrs

    ResponderExcluir
  9. Heiii, tudo bem?
    Ah que legal a sua resenha, percebo que amou mto mesmo.
    Eu pelo contrario, nao leio mais nada do John Green, todos que li eu odiei, achei bem chato e cansativo.
    Apesar disso, vejo que gostou mto e gostei de saber mais da história dele aqui.
    A capa é a mais linda dele.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
  10. Oi, Amanda

    Eu não gosto do autor. Todas as minhas experiências com livros dele foram ruins, então desisti dele. Acho interessante ele abordar o TOC, uma doença muitas vezes tratada como bobagem, mas não leria o livro. Talvez eu assista ao filme quando ele sair! Hahahaha

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oieee, tudo bem? Bom, na era pós a culpa é das estrelas, que diga-se de passagem eu só vi o filme, me empolguei e comprei 3 livros do green( dos quais n li nenhum). Quando vi tartarugas até lá embaixo fiquei empolgada pq acho interessante essa questão do TOC, mas andei lendo algumas -muitas- resenhas negativas e desanimei um pouco. Não tenho intenção de deixar de lado, ainda quero muito ler, mas talvez não seja o momento. Bjosss

    www.porredelivros.com

    ResponderExcluir
  12. Olá Anne,
    A premissa desse livro é muito interessante, principalmente, por a personagem ter tanto em comum com o Green. É muito legal a leitura ter sido gratificante para você, eu espero que ela seja assim pra mim. Eu acho que o fato de a mãe de Aza se preocupar com ela e falhar é algo muito interessante, principalmente, porque acontece muito na realidade.
    Vou anotar a dica.
    Beijos

    ResponderExcluir