| RESENHA #110 | O LIVRO DAS COISAS ESTRANHAS, MICHEL FABER

ISBN-10: 8532530397
Título: O Livro das Coisas Estranhas
Autor: Michel Faber
Ano: 2016
Páginas: 528
Idioma: português 
Editora: Rocco
Gênero: Ficção cientifica, romance, religião
Nota: 3/5
Livro cedido em parceria com a editora.

Sinopse: Último romance do aclamado Michel Faber, autor de Sob a pele e Pétala escarlate, flor branca, entre outros, O livro das coisas estranhas teve calorosa recepção do público e da crítica, figurou na tradicional lista do The New York Times dos 100 livros notáveis do ano em 2014 e reafirma a posição de Faber como um dos mais inovadores e interessantes escritores contemporâneos. A trama se desenrola num futuro próximo e acompanha o pastor Peter Leigh na missão de catequizar a civilização extraterrestre do planeta Oasis. Afastado de sua mulher, seu gato, seu mundo, Peter vê sua fé ser testada até o limite, progressivamente se alienando de sua própria espécie, numa narrativa tocante que leva o leitor a refletir sobre temas como amor, separação e a natureza da fé religiosa. Ponto forte: Dono de uma obra que escapa de rótulos, publicado em mais de 35 países, Michel Faber é considerado uma das vozes mais sólidas da cena literária internacional. Prateleira: para fãs de clássicos da ficção científica como 1984 (George Orwell) ou para leitores de ficção contemporânea como Chuck Palahniuk (Clube da luta) e Bret Easton Ellis (O psicopata americano)

Um livro peculiar, diferente e totalmente fora da minha zona de conforto. Quando olhei a sinopse pela primeira vez, fiquei curiosa com a premissa do livro, principalmente por conter dois pensamentos distintos: o da ciência e o da religião. O que encontrei foi nem um, nem outro, mas um monte de coisa interessante a sua medida, e fundamental para gerar uma reflexão sadia sobre a vida.

O Livro das coisas estranhas, escrito pelo Michel Faber, e publicado no Brasil pela Editora Rocco, conta a história de Peter Leigh, um homem que possui a missão de catequizar uma população de extraterrestres no Planeta Oásis. O intuito de Peter é levar Jesus para aquele povo que anseia pelos ensinamentos que o "o livro das coisas estranhas" (como eles chamam a bíblia) carrega. Para essa missão, Peter precisa se afastar de sua mulher e amor de sua vida, Bea, portanto, por causa da ausência dela, da saudade e tudo mais, sua fé começa a ser testada e vários pensamentos afloram em sua mente, enquanto passa os ensinamentos de Jesus para aquele povo.

Inicialmente, achei que era uma ficção cientifica com algo religioso. Fiquei extremamente interessada, pois nunca havia lido nada do tipo. A ideia de fazer essa analogia com a catequização dos índios aqui no Brasil, foi um dos fatores que me fizeram ficar instigada a conhecer a obra. Não me decepcionei, mas confesso ter esperado menos doutrinação e mais coisas ligadas ao povo de Oásis, tecnologias e como o povo de Oásis iria reagir como os supostos ensinamentos que Peter estava levando.

No entanto, não caracterizo mais essa obra como uma ficção cientifica, mesmo contendo elementos que poderiam muito bem se enquadrar essa história neste gênero. Acredito muito que é um romance, uma história sobre superação de Peter e sobre o amor que ele sente pela mulher. Por conta disso, eu senti a falta de exploração do autor em relação aos demais elementos da história, os demais plots, como o acampamento dos humanos do Planeta Terra, sobre a missão de todos, desenrolar mais sobre o povo nativo daquele planeta, mas o autor optou por seguir outro rumo, o rumo do romance.

O livro tem uma narrativa que flui bem, o autor consegue conectar o personagem ao leitor e isso foi bem interessante. Mesmo eu sendo ateia, li o livro de coração e mente abertos, para que pudesse absorver e entrar na história, mas senti que o autor não conseguiu guiar seu protagonista e sua obra sem se perder um pouco em seu propósito. Afinal, qual era o propósito do autor mesmo? Peter é um personagem muito interessante e bem desenvolvido, a ponto de ser aquele tipo de personagem que a gente quer sentar e conversar por horas em frente a uma fogueira, mas como disse anteriormente, senti que faltou uma exploração mais detalhada sobre o que estava acontecendo ali, o que era aquele mundo, quais as missões e tudo mais.

Em suma, eu gostei do livro, apesar do cunho religioso excessivo. Foi uma leitura diferente e enriquecedora até um certo ponto. Gostei da narrativa, do enredo e da maneira como foi contada, é uma pena que os fatos de desenvolvimento de personagens secundários e da trama do Planeta tenham, ao meu ver, deixado a desejar.

Eu indico esse livro para todos, sem exceções, principalmente para quem quer ler algo diferente e que fuja um pouco da zona convencional e de conforto que muitas vezes entramos. Devo ressaltar, que essa capa é muito bonita e a diagramação do livro está excelente, letras em um tamanho bom e sem nenhum erro de revisão.

10 comentários

  1. Oi Anne, tudo bem?
    Quando li a sinopse desse livro tive o mesmo pensamento que você; achei que fosse uma ficção científica atrelado a religião e isso me deixou muito animada. Fiquei meio decepcionada com a sua constatação de que na verdade é mais religião do que qualquer outra coisa e desisti de vez da leitura ao saber que o autor perdeu o rumo e o propósito da trama. Pelo visto apesar de ter sido uma boa leitura pra você, o que me deixa contente, esse foi um livro que deixou a desejar e ultimamente tenho fugido de títulos assim.
    Beijos!
    Por Livros Incríveis

    ResponderExcluir
  2. Oiee Anelise ^^
    Não sei dizer se sou ateia ou agnóstica, mas, de qualquer forma, acho interessante conhecer outras religiões e tentar entender o por que de as pessoas acreditarem em certas coisas. Eu já tinha visto esse livro, mas não me interessei muito, e saber que o autor pecou em alguns aspectos me desanimou. Seria bom se ele tivesse desenvolvido melhor as coisas em relação ao outro planeta, né?
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  3. Olá, Anelise! A sinopse do livro realmente nos atrai a conhcer a narrativa. Pensei se assemelhar a obra de ficção científica A Mão Esquerda da Escuridão, mas pelas suas impressões notei que vai por outra via, por isso não leria a obra pela quebra de expectativa criada pela sinopse. Entretanto adorei sua linguagem ao resenhar.

    ResponderExcluir
  4. Olá Anelise,
    Acabei de ler um livro com um cunho religioso alto e não quero ler outros livros do gênero tão cedo. Achei legal você ter gostado da obra, mesmo sendo ateia, e ter lido o livro de coração e mentes abertos, muitos não fazem isso.
    Esse livro me lembrou um pouco do livro A Mão Esquerda de Deus, mas nesse livro que já li, a questão de pregar o religioso era muito mais perto do fanatismo do que esse livro me pareceu.
    Vou deixar a dica passar, pois esse livro, definitivamente, não é pra mim, pelo menos, não nesse momento.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  5. A capa é bem interessante mas só pela sinopse eu não tinha dado muita atenção para o livro. Conforme fui lendo sua resenha fui achando que a leitura também seria bem fora da minha zona de conforto mas que traria algumas reflexões interessantes.
    Que pena que algumas coisas não foram bem desenvolvidas e que ficou um pouco focado demais na doutrinação. Acho que esse ponto seria o que mais me incomodaria na leitura, mas só lendo para ter certeza.
    Como fiquei curiosa e interessada, espero ter uma chance e conseguir encaixar o livro na minha lista de leituras :)
    Beijinhos,
    Lica
    Amores e Livros

    ResponderExcluir
  6. Oi, Anelise!

    Me interessei por essa obra. Concordo que devemos, de vez em quando, sair dessa zona de conforto da qual estamos acostumados. Li poucos livro desse gênero e gostei, acho que vou dar uma chance para esse também. Adorei a capa, o que só me deu mais vontade de ler!

    Sucesso com o blog sempre!
    Beijos, Belle.
    floraliteraria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Olá,
    Lendo a sinopse a obra me chamou a atenção exatamente por conter esses dois lados distintos da moeda, abordando ao mesmo tempo ciência e religião.
    Ainda não li nenhuma obra do autor, mas fiquei intrigada como ele irá discorrer sobre tais temas, sendo também uma obra que me tiraria um pouco da zona de conforto.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi, Anelise

    Essa é a segunda resenha que leio do livro em questão e a segunda que fala do excesso de doutrinação. Eu sou Cristã, mas não gosto de livros religiosos, não gostou pois há uma linha muito tênue entre o escrever sobre isso para informar e o escrever sobre isso como se fosse a verdade absoluta. Eu creio em Deus e não preciso que alguém fique me doutrinando para reafirmar minha crença.
    Não tenho interesse no livro, e essa capa me dá muito nervoso no olho! hhahahaha

    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Não conhecia o livro, é a primeiro resenha que eu leio, e confesso que apesar de ser bem fora da minha zona de conforto, eu fiquei interessada em conferir, principalmente por essas analogias. Que pena saber que não é bem uma ficção e que a parte de doutrinação é "exagerada".
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Anne, tudo bem?
    Eu não conhecia o livro e para ser sincera ele chamou bastante minha atenção, fico feliz em ver que é diferente e mesmo assim você gostou, pois para mim também foge da minha zona de conforto. Com certeza darei uma chance a ele logo que tiver uma oportunidade.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir